Um singelo percurso

Nasci em Angola, sou cidadão português e filho de cabo-verdianos sendo que a minha mãe era da ilha de Santo Antão e o meu pai é da ilha do Fogo. Em 1975 e na crise dos refugiados e retornados da guerra do Ultramar e consequentes independências das ex-colónias, chegamos em Portugal.

Depois de breve estadia em Lisboa rumamos a Cabo Verde no dia 5 de Julho de 1975, dia da independência, aí vivemos dois anos na ilha de São Vicente tendo eu iniciado o ensino primário na Escola Camões. Dois anos depois regressamos a Portugal, Lisboa, isto porque durante o tempo em que Cabo Verde e Angola faziam parte de Portugal a minha mãe tinha sido sempre funcionária do Estado português enquanto professora, e o regresso a Portugal seria para clarificar a respeito da sua vida profissional.

Em poucos meses passamos por uma pensão em Lisboa e fomos viver com familiares em Setúbal onde frequentei a Escola Primária do Viso, e um ano depois regressamos a Lisboa porque a minha mãe tinha conseguido entrar para o curso especial do Magistério Primário, hoje Escola Superior de Educação, em Benfica (quem veio do Ultramar só podia voltar a lecionar após este curso). Assim, em Setembro de 1979 no seguimento da oferta de um primo fomos viver para a sua casa numa zona que ficava perto do Magistério Primário, onde ele estava a construir a casa, e que mais tarde viria a ser conhecido como bairro Alto da Cova da Moura. Na atual freguesia Águas Livres, no concelho da Amadora.

Os anos foram passando e o percurso normal escolar dominou a minha vida, estudar, brincar o mais que era possível na rua, entrar para os escoteiros para poder participar nas atividades de campo, promover o espirito de equipa e de liderança… aprender pela ação era o mote. O desporto e a aventura sempre fizeram parte da minha vida e até pratiquei futebol federado. Frequentei a Escola Primária nº 1 da Buraca, a Escola Preparatória da Damaia e a Escola Secundária do Alto da Damaia/Dr. Azevedo Neves onde fui dirigente associativo durante alguns anos na companhia dos melhores amigos e colegas que se podia ter, e descobri a política.

As amizades faziam o pleno da minha vida e assim fui construindo novas relações e desta vez consolidávamos uma vida num território, longe de algumas correrias por força da profissão da minha mãe e de outros constrangimentos. Em 1991 ingressei no Serviço Militar Obrigatório fazendo a recruta e a especialidade no Porto e o serviço no antigo Centro de Seleção de Setúbal, conhecido também como o Quartel do 11, onde Bocage também andou. Foi o regresso com alguma assiduidade a Setúbal e também ao conforto dos meus familiares com quem já tínhamos vivido também em Angola.

Depois de cumprir o SMO em 1992 a realidade era outra e dediquei-me ao trabalho de dia e fui terminar o 12º ano à noite na Escola Secundária D. João V. Entre diversas atividades profissionais durante o dia, à noite estudava e em 1999 licenciei-me em Ciências da Comunicação e da Cultura, especialidade em Marketing, Relações Púbicas e Publicidade na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, mais tarde fiz o Mestrado em Comunicação nas Organizações. O Doutoramento está no horizonte. Sou formador profissional e consultor de comunicação, marketing e relações públicas. Amante de atividades ao ar livre, aventura e desporto. Coordenador do ciclo de conferências amarCulturas Prestige Conferences e autor e editor do livro ‘Cova da Moura nos títulos de imprensa’.

A Amadora tornou-se também no meu berço e aqui vivo com a minha mulher e a nossa menina Aléxia nascida em 2013.

Por agora é tudo.