Voluntariado | Solidariedade

Solidariedade é um dos pilares da minha vida, incontornável valor que sustenta a minha existência. Desde sempre assumi a disponibilidade para os outros com gosto e uma intensa satisfação por ser útil a alguém ou a algo, por também fazer parte. A educação foi assim, partilhar, estar com os outros e também pelos outros, ajudar, de forma tranquila e inteligente, consubstanciado também pela enraizada matriz cultural cristã, onde os valores humanistas se sobrepõe a tudo o resto. 

Assim, a disponibilidade fazendo parte da matriz cultural do indivíduo tem impelido em mim que ao longo dos anos colabore com diversos projetos de carácter social e cultural. Na maioria das vezes de forma informal e discreta no apoio às pessoas, ou na resolução de situações menos fluídas que impedem a tranquilidade, o bem-estar e a felicidade de uns e de outros. 

Diretamente ou buscando outros amigos e amigas, sejam eles na sua individualidade ou em termos organizacionais, o objetivo é juntar as mãos, é dar as mãos, e ajudar quem mais precisa a dar o salto, a continuar, a ultrapassar, a fortalecer-se, a buscar o bem-estar e a felicidade. Ajudar a ultrapassar as contrariedades que a conjuntura orquestrou ou o tempo funesto que teima fragilizar os passos que se seguem, para que a pessoa possa estar bem e ser feliz. Sou como sou pela força das circunstâncias e pelas pessoas que comigo levam qualquer barco, que também me levam ou trazem, porque sozinho nada se faz.

Por vezes também colaboro de forma mais institucional através desta ou daquela associação/organização sociocultural, mas sempre com a discrição possível, porque sabemos que estas coisas da dignidade humana implicam alguma sensibilidade, algum recato.

O convite é para que se junte a mim, e a quantos desejam contribuir para a contínua construção de um mundo melhor, onde as diferenças, as escolhas de cada um, a maneira de ser de cada pessoa, não sejam vistas como fragilidades, mas como potenciais fatores motivadores para a felicidade. Por um mundo realmente melhor, em que de facto as pessoas é que contam.

Photo by lalesh aldarwish from Pexel